Projeto de humanização torna a internação de pacientes por Covid-19 mais afetiva

O prontuário médico é um documento no qual os profissionais de saúde registram as informações do quadro clínico do paciente. No Hospital 5 de Outubro (HCO), em Canaã dos Carajás, no interior do Pará, a unidade implantou o projeto “Prontuário Afetivo”, voltado aos pacientes internados por Covid-19. 

A ação de humanização tem como objetivo incluir informações pessoais de cada paciente no prontuário, como apelido, gostos pessoais, comida que mais gosta, torcida por algum time de futebol etc. São muitas as informações que definem quem é a pessoa por trás da doença vivenciada no momento. E são esses detalhes que constroem o prontuário afetivo.  

A ação começou a ser executada nessa semana pela unidade, que foi construída pela mineradora Vale, sendo gerenciada pela Pró-Saúde. Com 16 leitos exclusivos aos casos de síndrome gripal, a medida visa se tornar mais acolhedora aos pacientes e amenizar a ansiedade trazida pela internação, favorecendo a recuperação.

De acordo com Edlaine Lopes, assistente social, em cada leito são disponibilizadas informações que ajudam a tornar o processo de hospitalização mais tranquilo, auxiliando o contato do profissional de saúde e o paciente. 

“O projeto, por exemplo, informa por qual apelido carinhoso paciente pode ser chamado e que já faz parte do seu dia a dia, seus hobbys e as pessoas mais especiais na sua vida. Isso torna a relação paciente-equipe mais próxima e humanizada, acalma os familiares e contribui para o restabelecimento dos internados”, enfatizou a profissional. 

Edlaine ainda complementa que as “informações são repassadas por familiares durante a ligação de rotina realizada pela equipe do 5 de Outubro e repassadas para a equipe, transcritas de forma lúdica em uma folha de papel”. 

Para a enfermeira e gerente assistencial da unidade, Renata Chiquetti, com a implantação do “Prontuário Afetivo” a equipe passou a ter ainda mais interação com o paciente. “O projeto tem ajudado a aumentar os laços emocionais do paciente com o nosso trabalho, contribuindo para facilitar a sua confiança em nosso atendimento e fortalecendo as esperanças na sua própria cura”, diz. 

Fundado pela mineradora Vale, o Hospital 5 de Outubro possui estrutura de pequeno porte, com capacidade para atender casos de até média complexidade. 

Diante da pandemia, a unidade ampliou o número de leitos, equipamentos e profissionais, reforçando a estrutura de atendimento em uma região remota do país, em meio à floresta amazônica.

O hospital é certificado pelo Programa Nacional da Qualidade (PNQ), concedido pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), que reconhece a qualidade e segurança da assistência.

Apenas em 2020, foram realizados mais de 340 mil atendimentos pela unidade, entre consultas ambulatoriais, exames, internações e cirurgias. Ao longo do ano, também foram realizados 323 partos. A qualidade assistencial obteve reconhecimento dos usuários, que alcançou índice de 91% de satisfação no ano passado.